Please upgrade your browser. An upgraded browser will make your computer safer, and improve your web experience.

DStv.com works best in the latest versions of Internet Explorer,Firefox, or Chrome,

Not now

dstv,voice-angola,paulo-flores,hl

Paulo Flores fala sobre seu novo disco

O cantor angolano Paulo Flores, que irá lançar a sua nova obra discográfica, insistiu recentemente que Angola está novamente de patas para o ar.

O músico angolano, que é um dos mais respeitados nas lides musicais angolanas, disse num entrevista concedida ao meio de informação português, O Público, que a sua nova obra intitulada o ‘Bolo de Aniversário’, será lançada em Maio do corrente ano.

Paulo Flores insistiu que neste seu novo trabalho musical, retrata assuntos que estão a afectar o país nos últimos dias.

Ele disse na entrevista: “Este disco acaba por ser um pouco mais temático, no sentido em que fala do que está a acontecer em Luanda nos dias de hoje. Mas é também um disco mais dançante, onde eu voltei a uma receita que fazia no início, com a kizomba, que veio antes do semba, em que as pessoas dançavam as músicas e só depois de dançarem é que começavam a ouvir bem o que eu estava a dizer”, referiu

O músico faz também uma comparação entre a sua anterior obra “O País Que Nasceu Meu Pai” e a que está prestes a lançar, realçando que neste seu novo disco, a preocupação já não passa pela passagem de testemunho para as novas gerações, e sim, mostrar que as coisas mudaram, para pior:

“Nos discos anteriores, sobretudo em ‘O País Que Nasceu Meu Pai’, eu estava muito preocupado com o que nós deixávamos como testemunho para as novas gerações, porque sentia que podíamos perder referências e o país ficar desconhecido para nós próprios. Neste momento, como diz essa minha nova canção, ‘Trabalho’, o mundo mudou, o kwanza baixou, as pessoas não têm emprego, nem preparação para conseguir emprego, e Angola está outra vez de pernas para o ar. Como aliás era o meu medo, pela falta de todas essas referências na educação, na preparação das pessoas.

“Essencialmente, que as pessoas deixem de pensar tanto nelas próprias e principalmente que o governo, as instituições, comecem a trabalhar com mais substância, a pensar de facto no que o povo precisa, como a saúde e a educação, que são as duas coisas que mais me preocupam por lá. Enquanto tivermos um povo tão afastado daquilo que se passa no mundo e no próprio país, tão distanciado do que é de facto a realidade, vivendo a maior parte da população apenas numa sobrevivência quase sem dignidade, acho que o futuro se apresenta triste e complicado.”

► Mantenha-se actualizado: leia as mais recentes notícias do mundo do entretenimento e confira  algumas das nossas sugestões para este mês: consulte as agendas de cinemaséries desporto.